Esporte [1] – Falcoaria ou Centraria

 

Falcão: nome dado à varias aves da família Faldonidæ, mais exatamente dos animais do gênero Falco. Quando eu era criança (e até um tempo atrás) eu pensava que águia, falcão, gavião era tudo a mesma coisa, então vou fazer explicar vagamente a diferença das Aves de Rapina. Rapinantes ou aves de rapina são aves que compartilham características semelhantes, são elas: bicos recurvados e pontiagudos, garras fortes, visão de longo alcance e são carnívoras. Essas aves podem caçar de grandes artrópodes e pequenas aves até anfíbios. Porém cada rapinante está adaptada para caçar um tipo de animal, essa característica está ligada ao tipo de voo de cada ave. Essa diferença de voo é o que distingue falcões das demais aves de rapina, o falcão evoluiu especializada em velocidade, as águias e abutres tem voo planado e os gaviões o voo acrobático.

Agora que as coisas básicas foram resumidas e explicadas, vamos à falcoaria em si.


  • Conceito
A Falcoaria, também chamada de Centraria, é a arte de criar, treinar e cuidar de aves de rapina para a caça. É praticada desde a Idade média com falcões e outros rapaces que tem capacidade de perseguir uma presa até derrubá-la ou matá-la. Em Portugal, é um costume fortemente tradicional.


  • História
Evidencias sugerem que a falcoaria provavelmente começou na Mesopotamia, ou Mongolia ou China, com os primeiros acontecimentos em, aproximadamente, 2000 aC, porém, os estudos tradicionais contam que a arte começou no Extremo Oriente. O esporte era popular na Europa Medieval e Japão Feudal, sendo um simbolo de status. Na Europa era praticado por reis e homens da nobreza; no Japão a Falcoaria é chamada de Takagari. Ovos e filhotes dos pássaros usados para caça eram caros e raros, além disso, criar e treinar tais aves requer tempo, dinheiro e espaço, sendo esses um dos motivos para apenas os nobres praticarem na época; no Japão havia sérias restrições a quem poderia caçar, quais espécies poderiam ser caçadas e onde, tomando-se por base a hierarquia da pessoa na casta dos samurais. O falcão era uma ave simbólica para as tribos Mongóis antigas; na arte, a falcoaria permaneceu como símbolo de status mesmo depois da prática ter entrado em decadência. Águias e falcões empalhados e expostos simbolizavam metaforicamente que seu proprietário era nobre e valente, assim como gravuras e pinturas.
Vou publicar uma timeline mas servirá apenas para deixar o post mais completo, mas foi sagazmente copiada extraída da Wikipedia.
  • 722-705 a.C. - Baixo-relevo assírio, encontrado nas ruínas de Khorsabad, na escavação do palácio de Sargão II, que acredita-se descrever a falcoaria. Efetivamente, contém um arqueiro que lança a ave rapace e um criado que captura as presas. A. H. Layard declara, no seu livro “Discoveries in the Ruins of Nineveh and Babylon” (1853), que “um falcoeiro que traz um falcão pousado em seu pulso parece ser representado num baixo-relevo que vi em minha última visita a essas ruínas.
  • 680 a.C. - Registros chineses descrevem a falcoaria. E. W. Jameson sugere que há evidências da falcoaria em território japonês.
  • século IV a.C. - Aristóteles (384-322) e outros gregos fazem referência à falcoaria praticada pelostracianos e indianos e assume-se que os romanos tenham aprendido a falcoaria com estes.
  • 70-44 a.C. - Citações informam que César treinara falcões para matar pombos-correio.
  • 355 - O “Nihonshoki“, narrativa histórica, regista como início da falcoaria no reinado do Imperador Nintoku.
  • 500 E. W. Jameson afirma que a evidência mais segura do início da falcoaria na Europa é um mosaico romano retratando um falcoeiro com sua ave caçando patos.
  • 600 - Tribos germânicas praticam a falcoaria.
    • Século VIII e IX até a atualidade – A falcoaria floresce na Idade Média.
  • 818 - O imperador Saga (Japão) ordena que editem um tratado sobre a falcoaria, intitulado “Shinshuu Youkyou“.
  • 875 - No Leste europeu e na Saxônia (Inglaterra) a falcoaria é amplamente praticada.
  • 991 - A Batalha de Maldon. Um poema que a descreve diz que, antes da luta, o líder dos anglo-saxões, Byrhtnoth “deixou seu amado falcão voar de sua mão para o bosque“.
  • 1066 - Os normandos escrevem sobre a prática da falcoaria. Acompanhando a conquista da Inglaterra pelos normandos, a falcoaria torna-se mais popular. A própria palavra falcoaria deriva do termo franco-normando fauconnerie.
  • 1100 - Os cruzados são responsáveis, segundo muitos autores, por levarem a falcoaria à Inglaterra, tornando-a popular nas cortes.
  • 1240 - Frederico II da Germânia, encarrega comissões para a tradução do tratado “De Arte Venandi cum Avibus“, do árabe Moamyn, e diz-se que corrigiu e reescreveu a obra com base em sua larga experiência com a falcoaria.
  • 1390 - No seu “Libro de la Caza de las Aves“, o poeta e cronista castelhano Pero López de Ayala procura compilar todo o conhecimento correto e disponível relativo à falcoaria.
  • Início do século XVI - O nobre guerreiro japonês Asakura Norikage (1476-1555) tem sucesso na reprodução em cativeiro de açores.
  • Século XVII - Registros holandeses da falcoaria; o vilarejo holandês de Valkenswaard era quase que totalmente dependente da falcoria, em sua economia.
  • 1600s - Valkenswaard, uma cidade holandesa, estava quase completamente dependente da falcoaria em sua economia.
  • 1660s - O Czar Alexis da Rússia escreve um tratado que celebra os prazeres estéticos da falcoaria.
  • 1801 - James Strutt, da Inglaterra, escreve: “as damas não apenas acompanham os cavalheiros para obter a diversão (na falcoaria), mas frequentemente praticam-na elas próprias; e até mesmo superam os homens no conhecimento e exercício da arte.
  • 1934 - O primeiro clube norte-americano de falcoaria - The Peregrine Club - é fundado; durante a II Guerra Mundial é extinto.
  • 1941 - Falconer’s Club of America formado
  • 1961 - Falconer’s Club of America acabado
  • 1961 - é fundada a North American Falconers Association.
  • 2002 - No Brasil o Ibama autoriza a falcoaria nos aeroportos como medida de segurança no pouso e decolagem de aviões.
  • Material para estudo teórico

Tem muita coisa da história pra contar, mas como o post vai ficar quase tão imenso quando o da Harley-Davidson, preferi deixar parte da história de lado e pular pra a teoria/pratica.

Essas referencias de livros tirei do site Falcoaria Online, porém, adicionei os link de uma loja de livros que o frete é grátis pro mundo inteiro em alguns livros, e quando olhar o preço em DOLAR vai entender porque isso é esporte da nobreza hahaha:

Essenciais

1. N. Fox: UNDERSTANDING THE BIRD OF PREY

2. B.A. Kimsey & J. Hodge: FALCONRY EQUIPMENT (Chapters 2, 3, 4 & 11)

3. M. Mullenix: AMERICAN KESTRELS IN MODERN FALCONRY

4. P. Dunne, et al: HAWKS IN FLIGHT

5. Mc. Elroy: Desert Hawking IV: Quail

6. F. Rodrigues: El Arte De La Cetreria

Adicionais
1. P. Glaser: FALCONRY AND HAWKING

2. J.G. Mavrogordato Trilogy: A HAWK FOR THE BUSH, A FALCON IN THE FIELD & BEHIND THE SCENES3. A. Walker: THE ENCYCLOPEDIA OF FALCONRY

4. L. Arent: RAPTORS IN CAPTIVITY, Guidelines for Care & Management

  • Escolha da ave

O conhecimento do comportamento das diferentes aves determina a abordagem na Falcoaria. Precisa-se conhecer os comportamentos de cada ave para o território/caça e para atender às necessidades da ave.

Aspectos a ter em conta na escolha da ave

  1. Tipo de presa que pretende caçar.
  2. Tipo de terreno em que pretende caçar.
  3. Grau de aptidão para manejar aves complexas.
  • Alimentação

Preferi colocar o link direto, já que o post no próprio site é enorme. Link aqui.
  • Equipamentos Basicos

  1.  Um conjunto completo de Aylmeri Jesses
  2.  Um distorcedor de boa qualidade
  3.  Coleira
  4.  Uma “Banheira” de água para ave.
  5.  Poleiro exterior de design aceitável.
  6.  Balança de precisão com variação máxima de 1g.
  7.  Couro para confecção de equipamentos.
  8.  Furador de couros.
  9.  Ilhós e batedor de ilhós.
  10.  Estilete e/ou tesoura.
  11.  Isca (Lure)
  12.  Fiador de no mínimo 30 metros
  13.  Bolsa do falcoeiro
  14.  Apito
  15.  Equipamento de Telemetria (Não faz parte dos itens básicos, mas é um equipamento quase indispensável)

Caso você não saiba ou não queira confeccionar os equipamentos indico a você o site http://www.artezanatocetrero.com.br/

*indicação do site falcoaria online

  • Viveiro

  1.  Espaço para permitir fácil acesso e manutenção.
  2.  Espaço para permitir que a ave se estender totalmente as asas.
  3.  Pelo menos uma janela.
  4.  Todas as janelas têm barras verticais
  5.  Portas com trancas para evitar eventuais curiosos.
  6.  Uma segunda porta para segurança caso houver fuga da ave.
  7.  Piso, seco ou bem drenado, para que possam ser facilmente limpos e higienizados.
  8.  Um poleiro de design aceitável para evitar, que a ave entrelace no mesmo.


  • Associações

Vou postar só a Brasileira, as outras são a AMF e AFARN. Se quer saber mesmo como criar de uma ave desse porte, é altamente recomendável participar de alguma associação.

  • ABFPAR
Baixe a proposta de associação(clique aqui), envie completamente preenchida ao endereço:

ABFPAR

Associação Brasileira de Falcoeiros e Preservação de Aves de Rapina

Estrada Francisco da Cruz Nunes, 10868

Itaipu- Niterói –RJ

CEP 24340-000

  • Videos

Alguns videos pra despertar a vontade de vocês
Como vou saber que estão gostando dos posts? Deixe um comentário ;D
Fontes: Wikipedia BR/USA, Falcoeiro.com, FalcoariaOnline
Citados no post: Fórum falcoariaonline, Fórum Clube de Falcoaria
About these ads

6 Respostas para “Esporte [1] – Falcoaria ou Centraria

  1. Pingback: Arif Blog – 13 Most Horrifying Birds In The Universe·

  2. Pingback: 13 Most Horrifying Birds In The Universe | シ最愛遲到.!·

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s